REGIÃO: Polícia fecha fábrica de linguiça clandestina da marca Markine
28 de novembro de 2017 903 Visualizações

REGIÃO: Polícia fecha fábrica de linguiça clandestina da marca Markine

Polícia fecha fábrica de linguiça clandestina da marca Markine

A Polícia Civil fechou nesta segunda-feira (27) uma distribuidora de alimentos e uma fábrica que industrializava linguiças de forma clandestina em Jaguariúna. Os policiais chegaram ao local após uma denúncia anônima. No local, foi constato a total falta de condições de higiene, além, disso o local não possui a documentação dos órgãos que regulamentam essas atividades. A produção da fábrica chegava a quase 20 toneladas de linguiças ao mês. Cerca de duas toneladas de carnes foram apreendidas e serão destruídas.

O proprietário da distribuidora e da fábrica clandestina de linguiça aguardará preso a decisão judicial.

A Polícia Civil contou com o apoio do departamento de Fiscalização e da Vigilância Sanitária da Prefeitura de Jaguariúna, além do órgão fiscalizador da Secretaria Estadual de Agricultura. A ação recebeu o nome de “Carne Fraca”.

Os policiais e os fiscais estiveram nos dois endereços. A primeira diligência foi na Rua Maranhão, no bairro Fazenda da Barra, onde um casal foi encontrado e acompanhou o trabalho dos policiais e dos fiscais. Ali foi constatada a distribuição irregular de produtos de origem animal produzidos e embalados de forma clandestina.

Os responsáveis foram notificados pelo departamento de Fiscalização da Prefeitura para que encerrem as atividades de imediato e também foram autuados pela Vigilância Sanitária da Secretaria municipal de Saúde.

Em seguida, com base nas informações fornecidas pelo casal, policiais e fiscais estiveram no Sítio Jequitibá, localizado em Pedreira, próximo à divisa com Jaguariúna, onde constataram a fabricação irregular de embutidos (linguiça) com a marca “Markine” e encontraram inúmeras embalagens plásticas e de papelão sem conter as informações obrigatórias por lei.

Lacração

A empresa que funciona no Sítio Jequitibá foi autuada pela Fiscalização Estadual (Defesa Agropecuária de São Paulo) e teve as instalações lacradas. Conforme o diretor do departamento de Fiscalização Tributária da Prefeitura de Jaguariúna, Ícaro Biotto Battoni, o local não apresentava as condições necessárias para fabricação de alimentos e tampouco as certificações estadual e municipal para funcionamento.

O dono do local revelou também que os resíduos da fabricação de linguiça eram despejados num rio próximo sem qualquer tratamento. O Instituto de Criminalística de Mogi Guaçu foi acionado e o dono do barracão onde a linguiça era embalada foi encaminhado à delegacia de Polícia de Jaguariúna, onde acabou autuado em flagrante por crimes contra a relação de consumo.

Anterior REGIÃO: Fóssil de dinossauro é encontrado em Jaci
Next BARRETOS: Equipe do Canil prende dois por tráfico e apreende mais de meio quilo de drogas

Você pode gostar também

Barretos

BARRETOS: Mulher se fere gravemente ao se cortar com linha de cerol

Uma mulher de 28 anos, identificada como Daniele Rodrigues de Brito Souza, moradora na Rua Antônio Machado de Moraes, no bairro Santa Cecília, sofreu sérios ferimentos ao se cortar com

Barretos

BARRETOS: Idoso afirma ter sido ameaçado por adolescente

Morador na Fazenda Ouro Branco, no Distrito de Adolfo Pinto, o senhor V.F.S., 64 anos, relatou na delegacia que por razões as quais ele desconhece, um adolescente que também reside

0 Comentário

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Você pode gostar também Comente sobre esta notícia.

Deixe uma resposta