Tribunal suspende decisões que autorizaram entidades a importar vacinas sem doação ao SUS
8 de abril de 2021 139 Visualizações

Tribunal suspende decisões que autorizaram entidades a importar vacinas sem doação ao SUS

Legislação atual permite compra, desde que lote seja doado integralmente à rede pública até que governo vacine grupos prioritários. Juízes têm autorizado importação sem a doação.

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), com sede em Brasília, suspendeu nesta quarta-feira (7) decisões judiciais de primeira instância que autorizaram entidades a importar vacinas contra a Covid sem a obrigação de doação integral para a União.

Ao tomar a decisão, o presidente do TRF-1, Ítalo Fioravanti Mendes, atendeu a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU). O órgão questionou a decisão da Justiça Federal em Brasília que autorizou a compra por entidades do Distrito Federal, de Minas Gerais e de São Paulo sem a doação.

A legislação atual prevê que empresas podem comprar doses, mas devem doar o lote integralmente ao Sistema Único de Saúde (SUS) até que o governo vacine os grupos prioritários. Juízes, contudo, têm autorizado a importação sem exigência da doação.

Os grupos prioritários são formados por 77 milhões de pessoas, e a lista com as categorias é definida pelo Plano Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde.

O Congresso Nacional discute um projeto que prevê a compra de doses por empresas para imunização de funcionários mediante contrapartidas. Entre as contrapartidas, está a doação ao SUS do mesmo número de doses adquirido para os empregados.

 

Argumentos da AGU

Ao TRF-1, a AGU afirmou que as decisões tomadas até então modificam o plano estabelecido pelo Ministério da Saúde para o enfrentamento da pandemia, o que pode provocar um caos na política pública de vacinação organizada.

A AGU argumentou ainda que a dispensa da doação:

  • fere o princípio da igualdade, comprometendo o objetivo do plano nacional de vacinação de concentrar todos os esforços para a imunização de todas as pessoas inseridas no grupo prioritário;
  • viola a equidade e a universalidade no acesso à vacina;
  • prejudica a coordenação do plano, uma vez que não será possível que os órgãos competentes acompanhem e fiscalizem o processo de vacinação a ser levado a efeito pelas entidades de classe.

 

A decisão do tribunal

O presidente do TRF-1 entendeu que não cabe ao Poder Judiciário interferir em política pública quando não houver claro indício de ilegalidade na medida.

Fonte: G1
Anterior BARRETOS: Homem é preso após causar danos em lixeira pública no centro da cidade
Next BARRETOS: Sexta-feira tem Drive Thru de Vacinação para a segunda dose dos idosos de 72 a 74 anos

Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/storage/4/97/12/agazetadebarretos/public_html/wp-content/themes/trendyblog-theme/includes/single/post-tags-categories.php on line 7

Você pode gostar também

Últimas Notícias

OLÍMPIA: Homem é preso em flagrante após agredir enteada e ferir filho com copo quebrado

Na noite da última sexta-feira, 04, por volta das 22h06 mais um olimpiense acabou preso em flagrante com base na Lei Maria da Penha. Segundo o BO da PM o caso aconteceu na rua 12, Vila Mouco,

Últimas Notícias

BARRETOS: Menor é surpreendido com veículo furtado no bairro Nadir Kenan

A ocorrência foi apresentada no Plantão Policial pelos Militares, sargento Matias e cabo Cipriano, os quais informaram que foram acionados pelo COPOM a comparecerem até o bairro Luiz Spina,  pois,

Últimas Notícias

BARRETOS: Bombeiros combatem incêndio em residência ateado por proprietária do imóvel

Na noite deste sábado, dia 6, o Corpo de Bombeiros foi solicitado a comparecer na rua 4 com as avenidas 23 e 21, no centro para atender um incêndio em

0 Comentário

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Você pode gostar também Comente sobre esta notícia.

Deixe uma resposta