SAÚDE: Alimentar Aedes com ‘Whey Protein’ e sangue bovino facilita manejo do mosquito, diz estudo
11 de dezembro de 2017 1658 Visualizações

SAÚDE: Alimentar Aedes com ‘Whey Protein’ e sangue bovino facilita manejo do mosquito, diz estudo

Nova dieta ajuda no desenvolvimento de bactéria que impede que o vírus da dengue se instale no organismo do Aedes. Pesquisa foi desenvolvida pela Fiocruz.

Pesquisadores da Fiocruz desenvolveram uma nova dieta para alimentar o Aedes Aegypti modificados com a bactéria Wolbachia, estratégia em estudo para o controle do vírus da dengue no Brasil. A nova dieta ajuda no desenvolvimento da bactéria.

A ideia é substituir sangue humano por uma alimentação que mistura nutrientes, sangue bovino e a proteína do soro do leite — conhecida popularmente como “Whey Protein”, um tipo de suplemento que costuma ser usado por praticantes de musculação após o treino.

Os resultados da nova estratégia, que vai facilitar o manejo do mosquito, foram publicados no “Scientific Reports”, publicação do grupo “Nature”.

Segundo pesquisadores, a nova dieta vai eliminar uma etapa da pesquisa, que atualmente utiliza sangue humano de bancos de sangue parceiros da Fiocruz para alimentar os mosquitos desenvolvidos em laboratório.

Com a nova nutrição, cientistas não mais vão precisar fazer tantos testes prévios no sangue humano usado para a alimentação — os exames eram necessários para evitar que outras infecções fossem transmitidas para o mosquito.

Também, segundo pesquisadores, a alimentação poupa menos recursos. O estudo teve a partipação dos pesquisadores Luciano Moreira, Heverton Leandro Carneiro Dutra, Silvia Lomeu Rodrigues, Simone Brutman Mansur e Sofia Pimenta de Oliveira.

Uma bactéria para eliminar o mosquito

Em estudo desde 2011, a Wolbachia impede que o vírus da dengue consiga se desenvolver no organismo no mosquito. No Brasil, o projeto “Eliminar a Dengue: Desafio Brasil”, coordenado pela Fiocruz, vem testando a estratégia.

Em agosto, 1,6 de milhão de mosquitos foram soltos em dez bairros da Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Neste projeto, que termina no final de 2018, também serão soltos mosquitos modificados no Centro e nas zonas Norte e Sul da cidade.

Como os cientistas chegaram à dieta

Segundo a Fiocruz, cientistas analisaram quais componentes do sangue são necessários para que a Wolbachia se desenvolva – já que é preciso uma quantidade de nutrientes maior que a normal para que o micro-organismo cresça no embrião.

Eles observaram, assim, que o ferro e o colesterol mantêm a bactéria viva.

Após experimentos, cientistas chegaram a uma fórmula que batizaram de APS – que usa sais minerais, sangue bovino, ATP e o Whey Protein.

Com a nova alimentação, o número de ovos de Aedes desenvolvidos com a Wolbachia foi tão significativo quanto na dieta com sangue humano, o que demonstrou a eficácia da composição nutricional.

Agora, pesquisadores vão desenvolver mais estudos para que, no futuro, seja possível uma alimentação totalmente artificial para os mosquitos.

Fonte: G1/Bem Estar

Anterior EMPREGO: VAGAS PARA HOJE 12/12/2017
Next BARRETOS: Mulher é vítima de violência domestica no bairro Christiano Carvalho

Você pode gostar também

Saúde

SAÚDE: Vacinação contra a gripe começa hoje em todo o país

Campanha do Ministério da Saúde vai até o dia 1º de junho  Começa hoje (23) a 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. Até o dia 1º de junho,

Social

REGIÃO: Família de Ribeirão Preto faz campanha para salvar Maria Vitória

Menina de 6 anos precisa de R$ 100 mil para tratar doença rara nos Estados Unidos  A pequena Maria Vitória Tanimoto Braga enfrenta, aos seis anos, um grande desafio pela

Saúde

REGIÃO: Avó faz ‘vaquinha’ para ajudar neto internado há quatro meses com problemas no coração

O pequeno Benjamin também nasceu com síndrome de Down Em maio deste ano o casal Luísa Furtado, de 20 anos, e Guilherme Cerminaro, 25, presenciaram o nascimento do pequeno Benjamin.

0 Comentário

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Você pode gostar também Comente sobre esta notícia.

Deixe uma resposta