Inverno: saiba como evitar as doenças comuns da estação
24 de julho de 2017 636 Visualizações

Inverno: saiba como evitar as doenças comuns da estação

Basta a temperatura cair e o tempo ficar mais seco para as crianças serem acometidas com as doenças comuns do inverno. Asma, bronquite, bronquiolite, gripe e resfriado, rinite e pneumonia são as mais incidentes. Os pequenos ficam coriza, nariz entupido, tosse noturna e dificuldade para respirar.

Crianças em período escolar sofrem ainda mais com as doenças respiratórias porque ficam em ambientes fechados, como as salas de aulas, e ficam mais mais propensas a contaminação ambiental.

Em casa, meus dois filhos ficaram doentes no começo do mês. Um com um dor de garganta muito forte acompanhada de febre e a outra de uma sinusite aguda. Os dois precisaram tomar antibiotícos e outras medicamentos específicos para cada caso. Além do tratamento medicamentoso, tirei e lavei as cortinas e os tapetes, que estavam acumulando poeira, e intensifiquei a hidratação.

Neste cenário, lembrei que recebi um email sobre a bronquiolite, que é uma doença comum do inverno e é uma inflamação das vias aéreas menores, que aparece principalmente em crianças com até dois anos de idade e causa secreção nasal que dificulta a respiração de lactentes, podendo vir acompanhada de febre ou não.

Para diminuir a incidência de contaminação e os males que, principalmente, o vírus sincicial causa ao organismo, o médico de Rinosoro, Edgard da Veiga Lion Neto, sugere algumas medidas simples.  E as medidas podem ser indicadas para todas essas doenças comuns da estação mais fria. Confira abaixo:

Cubra o nariz e a boca das crianças quando elas tossem ou espirram e higienize as mãos sempre 
A prática simples de cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar e higienizar as mãos previne o possível contágio por vírus de todas pessoas que estão próximas aos doentes. É importante lavar mãos dos pais e crianças com frequência, particularmente, quando tocar o nariz, a boca ou após alimentação

Utilize lenços descartáveis ao invés dos de tecido
Ainda há quem insista no uso de lenços de tecido, porém o recomendado é utilizar lenços de papel para conter a coriza ou assuar o nariz. Os lenços descartáveis são mais higiênicos e diminuem as chances de propagar o vírus para outras pessoas

Lave e seque utensílios domésticos e brinquedos após seu uso
Os utensílios domésticos e brinquedos devem ser higienizados sempre. Quando a criança fica doente, torna-se imprescindível o não compartilhamento desses itens e a higiene diária dos objetos para evitar contaminações. Recomenda-se que a limpeza seja feita com água e detergente e posteriormente desinfete os objetos com uma solução de água sanitária e água corrente

Higienize o nariz do bebê e mantenha o pequeno hidratado 
A limpeza e hidratação nasal contribuem para manter as vias aéreas superiores limpas e em bom funcionamento. Com isso, as defesas do corpo são mais eficientes, livrando de infecções oportunistas

Anterior Ferramenta ajuda a pedir ressarcimento em caso de internet lenta
Next Polícia cumpre mais de 200 mandados contra furto de energia na região

Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/storage/4/97/12/agazetadebarretos/public_html/wp-content/themes/trendyblog-theme/includes/single/post-tags-categories.php on line 7

Você pode gostar também

Barretos

BARRETOS: Vigilância aplica 11 autos de inflação no primeiro dia do LOCKDOWN e Estabelecimento é multado em 20 mil reais

A equipe da Vigilância Sanitária,  informou que nas primeiras 8 h do período de LOCKDOWN na cidade de Barretos,  entre as 0h e 8h da manhã, registraram quatro autuações no

Policial

BARRETOS: Mulher morre depois de sofrer acidente e mais de dois meses hospitalizada

Morador no bairro Derby Clube, o senhor M.C., 26 anos, foi até a delegacia informar o falecimento de sua irmã, Miriam Celestino, que morava na Avenida 11 de Junho, bairro

Barretos

BARRETOS: Mulher registra queixa por ameaça no bairro Alvorada

No Distrito Policial esteve a cozinheira V.T.S., 52 anos, moradora no bairro Alvorada, e ela relatou aos policiais que conviveu com o J.D.P.F., 60 anos, pelo período de 30 anos,

0 Comentário

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Você pode gostar também Comente sobre esta notícia.

Deixe uma resposta