Cães e gatos também sofrem com as doenças de inverno
15 de julho de 2017 494 Visualizações

Cães e gatos também sofrem com as doenças de inverno


Estamos em pleno inverno e se essa época do ano causa muitos transtornos para nós humanos, imagina para os nossos amigos de quatro patas, por isso é importante adotar medidas para garantir a saúde e bem-estar de cães e gatos.

A médica veterinária da Esalpet, Jueli Berger, explica que os animais que mais sentem frio durante o inverno são os cães com pelagem curta, entre eles Pinscher, Dachshund (salsichinha ou cofap) e chiuaua. Os cães com pelos longos, mas que são tosados com lâmina baixa também sofrem com as baixas temperaturas. “Como todos nós, os animais sofrem um pouco com o frio do inverno. Quanto menos pelos ele tiver, maior é a chance de que ele tenha algumas dificuldades para enfrentar essa fase do ano. Por esse motivo, os donos devem ficar mais atentos para garantir a saúde dos animais”, explica.

A veterinária recomenda que os bichinhos estejam sempre bem aquecidos nessa época do ano. “Os donos podem abusar de roupas adequadas de lã, soft ou plush, cobertores, edredons, e, até mesmo aquecedores de ambientes para os dias de inverno rigoroso.”

Os principais problemas de saúde enfrentados pelos animais são os relacionados às bronquites, Tosse de Canis (Gripe Canina), além das mais graves como pneumonia. Por isso é muito importante que o animal esteja com todas as vacinas em dia. “Os cães precisam tomar, indispensavelmente, a vacina contra a Gripe Canina. Esse é primeiro passo para um inverno sem problemas. Já no caso dos gatos, a vacina essencial é a Quádrupla Felina”, explica Jueli.

Os gatos também pode sofrer com a Rinotraqueíte, a doença afeta o sistema respiratório dos felinos, principalmente dos filhotes, que, se contaminados, podem apresentar espirros, secreção nos olhos e dificuldade para respirar.

Além disso, a veterinária Farah de Andrade, da DrogaVet, lembra que é importante evitar passeios em dias muito frios, manter os animais bem hidratados com a ingestão de água e diminuir a frequência de banhos, principalmente em animais mais idosos.

Outras doenças

Além das doenças respiratórias, os animais podem sofrer com problemas dermatológicos, como dermatites e alergias, causados por banhos quentes, secador em alta temperatura, tosa frequente e outros hábitos.  “O ideal é diminuir a quantidade de banhos no inverno para uma frequência de 10 a 12 dias, sempre com água morna. Outra questão é optar pelo banho a seco nos dias mais frios, molhando os pets apenas nos dias mais quentes. E se mesmo com essas ações o pet desenvolver lesões na pele é possível manipular xampus, condionadores e cremes, com substâncias hidratantes, para tratar o problema”, explica Farah.

Já os animais idosos podem enfrentar problemas com a osteoartrose, já que com as baixas temperaturas eles podem sentir dores agudas nas articulações. A veterinária Farah explica que a osteoartrose é o caso mais comum em pets acima dos 7 anos. A doença afeta a cartilagem, diminui a capacidade locomotora e de absorver e distribuir impactos do corpo, causando dores articulares crônicas. A especialista recomenda além dos mesmos cuidados com o banho e exposição à friagem, o uso de anti-inflamatórios, mas lembre-se sempre de procurar um veterinário para orientar o melhor tratamento para o seu melhor amigo.

Anterior Ladrões atiram, matam adolescente e ferem dois guardas
Next Delegado descarta Tortura e diz que caso de jovem nua foi vingança

Você pode gostar também

Saúde

VACINAÇÃO: Estado de SP antecipa vacinação contra sarampo e paralisia infantil para o próximo sábado

Mais de 4 mil postos estarão abertos dia 3 de agosto para vacinar crianças de 0 a 5 anos. A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo decidiu antecipar

Saúde

UPA Barretos lança canal direto com o Cidadão Barretense

JÁ ESTÁ EM PLENO FUNCIONAMENTO NO FACEBOOK A PÁGINA DA UPA BARRETOS 24 HORAS, DE ACORDO COM AGÊNCIA DE MARKETING AVANT , EMPRESA RESPONSÁVEL PELO MARKETING DA UNIDADE, RECENTEMENTE CONTRATADA

Saúde

SAÚDE: Casos de sarampo aumentaram no mundo, alerta OMS

Relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alerta para o aumento de casos de sarampo no mundo.